Processaram a Coca e Pepsi por criarem um ‘incômodo’ de poluição de plástico

Grupo ambiental da Califórnia afirma que grande parte das toneladas de plástico nos oceanos remonta às 10 empresas que estão processando
Coca, Pepsi, Nestlé e outras grandes empresas estão sendo processadas por um grupo ambiental da Califórnia por criar um “incômodo” com a poluição do plástico e enganar os consumidores sobre a reciclabilidade do plástico.

A ação, movida na corte superior do condado de San Mateo na quarta-feira, argumenta que as empresas que vendem garrafas e sacolas plásticas que acabam poluindo o oceano devem ser responsabilizadas por danos ao meio ambiente.

O Earth Island Institute, que abriu o processo, diz que uma quantidade significativa das oito a 20 milhões de toneladas de plástico que entram nos oceanos da Terra anualmente pode ser rastreada até um punhado de empresas, que dependem fortemente de embalagens de plástico descartáveis.
O processo visa exigir que essas empresas paguem para remediar os danos que a poluição do plástico causou à Terra e aos oceanos. Também exige que essas empresas parem de anunciar produtos como “recicláveis”, quando, na verdade, em grande parte, não são reciclados.

“Essas empresas deveriam ter a responsabilidade por sufocar nosso ecossistema com plástico”, disse David Phillips, diretor executivo do Earth Island Institute. “Eles sabem muito bem que esse material não está sendo reciclado, embora digam às pessoas nos rótulos que é reciclável e fazem com que as pessoas sintam que está sendo cuidado”.

O processo nomeia 10 empresas consideradas as maiores produtoras do plástico coletado em limpezas de praias em uma auditoria internacional realizada no ano passado por 72.000 voluntários que trabalham com o grupo Break Free From Plastic. As empresas são Coca-Cola , Pepsi, Nestlé, Clorox, Crystal Geyser, Mars, Danone, Mondelēz International, Colgate-Palmolive e Procter & Gamble.

“Resíduos de plástico são um problema mundial que exige soluções ponderadas”, disse William M. Dermody Jr, porta-voz da American Beverage Association, que representa a Coca-Cola, Pepsi e outros fabricantes de bebidas não alcoólicas. “As empresas de bebidas da América já estão tomando medidas para resolver o problema, reduzindo nosso uso de plástico novo, investindo para aumentar a coleta de nossas garrafas para que possam ser refeitas em novas garrafas conforme pretendido e colaborando com legisladores e especialistas terceirizados para alcançar resoluções políticas significativas. ”

Outras empresas, incluindo a Nestlé , disseram que ainda estão analisando as alegações do processo ou não puderam ser contatadas imediatamente.
Observando que, na taxa atual de despejo, o plástico superará os peixes no oceano até 2050 , o processo acusou as empresas de se envolverem em uma “campanha de décadas para desviar a culpa pela crise de poluição do plástico para os consumidores”. Os consumidores são levados a acreditar que a Terra seria saudável, se eles reciclassem adequadamente, quando, na realidade, não há mercado para a maioria dos plásticos a serem reciclados, diz o termo.
Estudos anteriores mostraram que apenas cerca de 10 % do plástico é reciclado , mas Phillips disse que, uma vez que esses números sejam atualizados para refletir o recente colapso do mercado de reciclagem, provavelmente mostrará que apenas cerca de 5% está sendo reciclado.
Ele disse que os clientes receberam informações incorretas minimizando os danos causados pelo plástico em campanhas de marketing semelhantes à desinformação promovida pelas empresas de tabaco que minimizam os perigos do fumo.

“Este é o primeiro processo desse tipo”, disse Phillips. “Essas empresas terão que revelar o quanto sabem sobre o quão pouco desse material está sendo reciclado.”
Martin Bourque, que dirige o Centro de Ecologia, que lida com a reciclagem para a cidade de Berkeley, disse que está cansado de saber que parte do plástico coletado nas lixeiras de sua cidade acabará sendo jogado fora.
“Já era hora de essas empresas que vêm dizendo às pessoas que esse material é reciclável sejam responsabilizadas por poluir nosso ecossistema”, disse ele.
Phillips disse que o processo não significa dissuadir os clientes de reciclar, mas visa que as empresas assumam mais responsabilidade pelos resíduos que seus produtos criam.

“Não é que estejamos forçando a reciclagem”, disse ele. “Somos totalmente a favor da reciclagem. Queremos apenas que as empresas assumam a responsabilidade pelo que realmente está acontecendo com todo esse plástico que estão produzindo. ”
Fonte: The Guardian
Tradução automática do inglês

Os comentários estão encerrados.