Os sacos biodegradáveis desaparecem rápido? No solo e no mar demoram pelo menos três anos, diz estudo

Os sacos biodegradáveis desaparecem rápido? No solo e no mar demoram pelo menos três anos, diz estudo
Fonte: Observador

O estudo de uma universidade britânica mostra que, durante três anos, os sacos biodegradáveis expostos no solo e no mar continuam a poder ser utilizados — não desaparecem tão rápido como se pensava.

Nota do Instituto IDEAIS
Antes de prosseguir com a leitura do artigo, alguns pontos devem ser esclarecidos.
Vamos considerar que os sacos / sacolas testadas sejam verdadeiras e autênticas, uma vez que é enorme a quantidade destes produtos falsificados, que apenas levam a impressão que são compostáveis, biodegradáveis ou oxibiodegradáveis, ou que são fabricados com aditivos e matérias primas falsificadas.
Considerando que seriam produtos verdadeiros, o estudo apresenta resultados óbvios:

1) Sacos e sacolas compostáveis ou hidrobiodegradáveis (HBP) só vão biodegradar em condições existentes em ambiente industrial de compostagem. Os testes realizados foram de enterramento em solo e também afundar o produto no mar. Nenhum destes ambientes tem qualquer semelhança com as condições de compostagem. As normas que regem plásticos compostáveis, como a ASTM 6400, EN 13462 e ABNT 15448-2:2008 não preveem ensaios nos ambientes onde os produtos foram testados.
Plásticos compostáveis ou HBPs possuem certificações de biodegradação em ambiente de compostagem industrial e é neste ambiente que a biodegradação acontece.
Não se pode exigir biodegradabilidade de um produto compostável fora do ambiente para onde ele é desenvolvido para biodegradar.

2) Sacos e sacolas biodegradáveis ou oxibiodegradáveis (OBP) só vão biodegradar em ambiente aberto na presença de oxigênio. Os testes realizados foram de enterramento em solo e também afundar o produto no mar. Nenhum destes ambientes tem qualquer semelhança com meio ambiente aberto onde exista oxigênio. As normas que regem plásticos biodegradáveis ou oxibiodegradáveis, como a ASTM 6954-18, BS 8472 e ABNT PE-308.01 não preveem ensaios nos ambientes sem oxigênio, que é onde os produtos foram testados.
Plásticos biodegradáveis ou OBPs possuem certificações de biodegradação em contato com oxigênio, tanto em solo como na superfície do mar, e é nestes tipos de ambientes que a biodegradação acontece.
Não se pode exigir biodegradabilidade de um produto biodegradável ou oxibiodegradável fora do ambiente para onde ele é desenvolvido para biodegradar.

Portanto, os resultados apenas mostram que tais produtos não têm como cumprir o prometido sobre biodegradação quando expostos em ambientes não apropriados ou comuns de descarte. Por sinal, quem enterra plásticos ou afunda plásticos no mar? O problema da poluição plástica e microplásticos está nos ambientes abertos e assim os biodegradáveis ou oxibiodegradáveis (OBPs) de verdade e certificados pela OPA vão biodegrar em conformidade com as normas apropriadas.

Estabelecidas estas premissas, continuamos com o artigo abaixo.

Numa altura em que cada vez mais se discute a utilização do plástico e se arranjam outras alternativas mais amigas do ambiente, um estudo realizado pela International Marine Litter Research Unit da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, vem levantar algumas questões relativamente à verdadeira eficácia dos sacos biodegradáveis. Tudo porque, segundo as conclusões deste estudo, depois de estes sacos estarem expostos a elementos naturais pelo menos durante três anos, continuam capazes de transportar as compras.

Os investigadores britânicos decidiram examinar a degradação de sacos orgânicos, de dois tipos de sacos biodegradáveis e de sacos de plástico convencionais utilizados no Reino Unido. Para isso, os sacos foram deixados expostos em três tipos de ambiente que correspondem a condições equivalentes às existentes quando são colocados no lixo: ao ar livre, no solo e no mar.

Nove meses depois de estarem ao ar livre, todos os materiais desintegraram-se em fragmentos, mas no caso dos que foram enterrados no solo ou deixados em ambiente marinho, os sacos biodegradáveis e os convencionais permaneceram completamente funcionais como sacos de transporte após três anos. Já o saco orgânico desapareceu completamente do equipamento de teste em ambiente marinho, mas ainda estava presente no solo após 27 meses, ainda que com alguma deterioração e impossibilidade de transportar materiais sem se romper.
…continue a ler aqui

Os comentários estão encerrados.